Federação dos Trabalhadores na agricultura no Rio Grande do Sul

Resgate Histórico

    A organização das mulheres trabalhadoras rurais, no MSTTR, se deu desde 1970, quando a FETAG criou as escolas de formação onde as “moças’ e senhoras, participavam de cursos de corte e costura, crochê e tricô.

    No entanto, foi somente no final da década de 70 e início dos anos 80, é que as mulheres começaram a se organizar em busca de direitos e espaços no MSTTR.

    Mas foi somente no final da década de 70 e início dos anos 80 é que começaram as mulheres a se organizarem em busca de direitos e espaços no MSTTR.

    As regionais de Passo Fundo, Caxias do sul, Santa Rosa e ijuí que as reuniões específicas com mulheres, começaram a despertar as trabalhadoras rurais. Nestes eventos as trabalhadoras rurais refletiam sobre sua realidade e a discriminação sofrida/enfrentada pelas mulheres.

    Em 1983 um grupo de mulheres em Viamão, onde acontecia o Encontro estadual da FETAGRS, discutiam timidamente a participação das mulheres nos sindicatos. Neste mesmo ano reivindicaram a contratação de uma assessora para trabalhar nas questões específicas das mulheres.

    Em1984Em final de 84 se organiza a Comissão estadual de mulheres trabalhadoras rurais – CEMTR.

    Em 1985 as gaúchas, trabalhadoras rurais, participam com 2ª maior caravana no 4º Congresso Nacional de Trabalhadores Rurais na CONTAG, em Brasília, levando consigo a inclusão de uma temática fazendo uma reflexão sobre a sindicalização da mulher trabalhadora rural.  A marca ficou registrada nos anais do congresso: uma nova temática “A participação e a sindicalização das trabalhadoras rurais, no MSTR”.

    No 6º Congresso Nacional, no Cartaz já constava a figura de um homem e uma mulher. No estado do RGS as regionais sindicais criaram Comissões regionais de trabalhadoras rurais para discutir e defender o reconhecimento da profissão de trabalhadoras rurais, bem como a aposentadoria aos 50 anos de idade. 

    Em 1987 com a criação do Conselho estadual dos Direitos da Mulher a FETAG faz parte como conselheira. Nos últimos 10 anos não faz parte.

    Em 1992 foi à vez da FETAGRS incluir as mulheres em sua diretoria.

    Em 1993, no dia 12 de agosto, Morte de Margarida Alves – Presidenta de sindicato, no estado da Paraíba, que foi assassinada. 

    Em 1995 as primeiras mulheres, Maíra Botega e Hilda Rubim integram a diretoria da CONTAG, representado o MSTTR do RGS. Também neste ano houve congresso eleitoral na FETAGRS, onde integraram mais mulheres na diretoria da entidade sedo que a 2ª. Secretária, srª. Maria Helena Baungarten assume a função de coordenação estadual das mulheres.

    Em 98 foi comemorado, 10 anos do reconhecimento da profissão da trabalhadora rural.

    Em 99 destacou-se o roteiro estadual sobre comunicação e expressão no feminino e a participação de 10 mulheres em conjunto com os movimentos de mulheres urbanos no mercosul – Montevidéu.

    Foi em 2000 que a comissão estadual construiu um novo logotipo para a CEMTR, também foi neste ano participaram da Marcha das Margaridas e do 1º Encontro estadual de Mulheres Dirigentes Sindicais. Dois eventos que fortaleceram e deram visibilidade ás trabalhadoras rurais em nível Nacional.

    Em 2001, fortaleceu-se os eventos em 08 de março como um dia de luta, reivindicação e visibilidade da trabalhadora rural e também se constatou a importância de interiorizar os eventos, para que um número cada vez maior de mulheres possa ser integrado nestes eventos.Finalizou-se o ano com o V Encontro estadual de mulheres dirigentes sindicais.

    No ano 2002 houve a participação das trabalhadoras rurais no fórum social mundial, no espaço “Fórum social mundial no planeta fêmea”. Neste aconteceu um roteiro regional de mulheres trabalhando o curso “Comunicação e gênero” e estratégias de participação nas diretorias e espaços de destaque/poder no MSTTR.

    Em 2003 destaca-se o curso de formação de mulheres Comunicação e gênero, preparado a partir do perfil da CEMTR.

    Em 2004 aconteceu a primeira plenária estadual de mulheres trabalhadoras rurais, e um roteiro de reuniões regionais, atingindo as 23 regionais sindicais da FETAGRS.

    Em 2005 destacou-se pela realização de curso de florais e Reike bem como um curso de aprofundamento de comunicação e gênero com o título “Dar a Luz a si mesma” com a preciosa assessoria da saudosa Gladis Gassem.

    Em 2006 realizou-se o VI Encontro estadual de mulheres dirigentes sindicais, além da realização de três seminários interno sobre “A invisibilidade do trabalho feminino, Gênero, classe e racismo, economia solidária, e desenvolvimento local e Muito trabalho e nenhum poder marcam as vidas das agricultoras familiares”.

    Em 2007 aconteceram três seminários para a CEMTR sobre meio ambiente e as mulheres, A saúde das mulheres e a doenças sexualmente transmissíveis e a violência contra a mulher.Também houve uma preparação bastante intensa com relação à temática para a 2ª Marcha das Margaridas