Federação dos Trabalhadores na agricultura no Rio Grande do Sul

Experiências exitosas

EDUCAÇÃO RURAL/ CAMPO MOSTRA QUE TRANSFORMAR É POSSÍVEL

uma discussão sobre o grupo das experiências exitosas

 

     A resistência, perseverança e esperança são as palavras de ordem que mantiveram mais de meia década este espaço aberto. Da parte da FETAG, apostamos na educação como uma ferramenta de transformação e mudanças do meio rural. Mudanças, no sentido de resgatar as práticas associativas, a criação e/ou resgate de posturas agroecológicas e de uma atividade que seja economicamente viável, sustentável e prazerosa.
O MSTTR acredita que é preciso adequar a escola ás demandas da realidade vivenciadas no campo. De uma escola que atinge seus educandos, demonstrando novas técnicas, estimulando as crianças/adolescentes a questionar seus pais, mudando algumas tradições baseadas no pensamento de que os recursos naturais são infinitos. Por outro lado, ajudando-os a resgatar as práticas e posturas que levam a uma agricultura equilibrada, com atitudes de preservação que resultem em qualidade de vida.
     Observamos no relato das experiências, que farão parte do espaço da educação do campo, edição 2009, que uma das barreiras a ser ultrapassada é a questão cultural das regiões, os hábito e costumes alimentares. Muitas famílias se dedicam à plantação de grãos de lavoura extensivas, deixando de produzir verduras e hortaliças, e de criar animais domésticos que poderiam propiciar ás famílias, uma alimentação mais segura e saudável.
     Essa cultura em determinadas regiões, facilita a entrada de produtos de origem duvidosa e muitas vezes sem os devidos cuidados no que se refere ao uso de agrotóxicos.
     O consume de verduras e frutas também é um hábito alimentar saudável que deve ser perseguido por todas as pessoas. A possibilidade de colher frutas e verduras da época e frescos, é um privilégio de quem mora na roça, e por isso não deve ser desperdiçado.
     O pensamento de que a saúde entra pela boca, já está mais do que comprovado, através de reportagens quase cotidianas, e no meio rural poderemos usufruir disso com custos mais baixos e tendo a certeza de que são produtos seguros, sem o uso de agrotóxicos.
     Outra cultura interessante e que muda de região para região e a prática de cultivar flores, jardinagem ao redor das casas. O embelezamento das propriedades favorece a autoestima de seus moradores e torna o espaço da moradia mais agradável, propiciando prazer aos seus proprietários.   E esse costume/hábito é algo que pode ser apreendido nas escolas e levado pelas crianças até seus pais.
     Mas para além das mudanças de cultivo e de consumo alimentar, a educação, pode centrar o indivíduo, transformado em um ser humano que tenha consciência de sua cidadania. Acreditamos e lutamos por uma escola que ajude ás crianças e adolescentes a construir seus projetos de vida. Que saibam muito mais do que escrever uva, parafraseando Paulo Freire, saibam como produzi-la, o que pode ser feito com ela, etc...
     Mas o que isso tem a ver com a educação? Acreditamos que tudo. Não podemos mudar e transformar de uma hora para outra a postura, hábitos e culturas das pessoas. Se os jovens são o futuro, eles devem começar enquanto crianças e adolescentes para serem o presente transformado.
O esforço da FETAG é no sentido de reforçar o elo existente da muitas experiências que existem no estado.
     O objetivo é que essas e tantas outras experiências exitosas, possam tornar-se conhecidas e que “proliferem” e renasçam em todos os cantos de nosso Rio Grande, se adequando e respeitando os saberes e vivências do povo do campo.